• Triunfo Hoje

Pernambuco cresce mais do que Brasil e Nordeste tem pior desempenho entre as regiões


Em tempo de retomada lenta e gradual do crescimento econômico no país, o Nordeste é onde ela ocorre de modo mais desacelerado (0,7%). Pernambuco, por sua vez, está mais próximo dos índices nacionais do que dos da região onde está inserido, crescendo, inclusive acima da média do Brasil.


Enquanto a performance brasileira no último trimestre foi de + 0,9%, a pernambucana alcançou os índices de 1,1%. A atividade econômica do estado acelerou no trimestre encerrado em novembro, alcançando, inclusive, a maior taxa de crescimento dos últimos cinco trimestres. A perspectiva, para 2020 é a repetição dos resultados positivos. Os dados são do Boletim Regional do Banco Central e significam uma prévia do PIB, a ser divulgado pelo IBGE em março. O documento analisa as regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul e os estados da Bahia, Ceará, Pernambuco, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul.


O Índice de Atividade Econômica Regional – Nordeste (IBCR-NE) variou 0,2% no trimestre encerrado em novembro de 2019 em relação ao finalizado em agosto. Em doze meses o IBCR-NE registrou alta de 0,6%. De acordo com Túlio Maciel, chefe do departamento de desenvolvimento econômico (Depec) do Banco Central, durante 11 anos, a região cresceu mais do que a média nacional, mas os dois anos anteriores ilustram a reversão do quadro.


“Com a agregação de menos trabalhadores em postos de trabalho, a massa salarial cresce em ritmo mais lento que outras regiões e traz desdobramentos em toda a economia nordestina”, explica. O ritmo lento repercute a incipiente recuperação da produção industrial e o baixo dinamismo do mercado de trabalho, apesar da expansão das vendas do comércio ampliado, que cresceu 2,0% no mesmo período. O que, de acordo com os dados, está relacionado à liberação de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) à Black Friday.


Para Fábio Silva, analista do Depec em Recife, a queda da exportação também trouxe desdobramentos. “Segmentos químicos, de celulose e automóveis são grandes exportadores impactados pela queda da demanda externa. A Bahia, por exemplo, é o estado com maior peso da indústria, então sentiu as consequências”, explica. Entre 2010 e 2017, Bahia e Sergipe perderam espaço no PIB na região. Pernambuco e Piauí, por sua vez, ganharam.


Se a indústria foi protagonista no baixo desempenho do Nordeste, o contrário aconteceu em Pernambuco onde houve a retomada de derivados de petróleo e do setor químico – aliada a indicadores favoráveis da demanda por bens e serviços.


O IBCR-PE alcançou 1,3% no trimestre encerrado em novembro, após 0,1% no mesmo intervalo precedente. No comércio, também houve crescimento: 2% no trimestre, em relação ao finalizado em agosto, quando havia crescido 0,6%, na mesma base de comparação. Destaquem-se os resultados de móveis e eletrodoméstico (7,3%); combustíveis e lubrificantes (4,8%) e veículos e motocicletas (4,3%). Quanto à safra agrícola, a participação da cana-de-açúcar na economia do estado ainda é alta (30%).


Para 2020, a expectativa é de estabilidade/manutenção, embora o nível de produção esteja deslocando-se para Centro-Oeste e São Paulo. Sobre as exportações de automóveis do estado, apesar da queda em relação a Argentina, com a crise do país, Túlio conta que houve um direcionamento para outros países, como o México. “Vamos observar quanto à demanda do mercado doméstico, que está aquecido, com crédito de veículos crescendo a dois dígitos por ano, puxando vendas do setor e refletindo-se em todo o setor automobilístico”, afirma.


* Índice de atividade econômica do Banco Central:


Norte – 4,7%

Nordeste – 0,7%


Centro-Oeste: 2,5%


Sudeste – 2%

Sul – 2,1%.


*Nordeste por segmentos:


Indústria – - 3,1%. Declínio do setor químico, artefato e de veículos


Comércio - Caracteriza o declínio da recessão e a retomada da economia. No Nordeste, taxa mais baixa do que nas demais regiões (1,2%). O melhor desempenho foi do Norte, com 6,2%.


Serviços - desacelerou, acompanhando a indústria (-0,8%).


Pernambuco: Estrutura Econômica – participação das atividades econômicas no Valor Adicionado Bruto (dados de 2017):


Administração Pública é a maior do estado: 24,4%.


Indústria da Transformação: 13,2%, acima da do Brasil (12,4%). Em 2010, a participação, neste setor, de segmentos como veículos era de 0,3%. Atualmente, chega a 10,9%. A de derivados de petróleo e combustíveis, da mesma forma. Passou de 0,5% a 11,8%.


Quanto à fruticultura, para 2020, há a perspectiva de redução de safra de manga, mas ela é vinda de patamar alto com o aumento do dobro da produção há cinco ou seis anos. É uma queda de base alta.


Postos de trabalho - 8.200 menos demissões, sendo 5 mil só no setor de teleatendimento. Os motivos foram a revolução da tecnologia no segmento e à migração para outros estados.





Fonte: Diario de Pernambuco


#Nordeste #crescimento #pernambuco

© 2020 TRIUNFO HOJE